Montanhas

CURITIBA (uphill) Só pra variar um pouco o tipo de treino de subida, essa semana deixei a speed de lado (na realidade ela foi pra revisão) pra subir duas montanhas. Sexta-feira fizemos um trekking até o cume do Pico Caratuva, o segundo ponto mais alto do sul com 1840m. Com a entrada de uma frente fria no sul do Brasil, parecia o dia perfeito para uma montanha, mas infelizmente o lado leste da montanha estava tomado pelas nuvens. Me acompanharam na caminhada meus colegas do DInf, Daniel, Eduardo e Grégio. Vale dizer que ninguém falou de trabalho!

Eu, Gregio, Daniel e Eduardo.

E pra fechar o mês de abril, um pedal de MTB no Quiriri. Da outra vez que fomos (em 2013), subimos até o morro da antena (1440m). Dessa vez, Pedro conseguiu uma autorização para entrarmos na fazenda (lembrando que a montanha está numa propriedade privada) e subir até o pico Bradador (1550m, ponto mais alto dos Campos do Quiriri). Quem controla o acesso é Hacasa Administração e Empreendimentos Imobiliários S/A. O documento autorizava nosso grupo de cinco ciclistas (Eu, Pedro, Lyra, Fabricio e Menegusso) a entrar na propriedade. Ninguém nos parou para pedir autorização, mas como se trata de uma propriedade privada, é bom levar o documento pra evitar confusão. Não custa nada, é só pedir. Eles liberam um número limitado de pessoas, porém.

Da entrada do morro da Antena até o Bradador são mais 5km, mas a subida do morro (cerca de 1km) é de empurra bike. O começo (foto abaixo), até vai, mas depois é impossível pedalar.

Estrada para o Bradador

Assim como no dia anterior, o vento do oceano prejudicou um pouco a vista, mas entre uma nuvem e outra era possível avistar a baia de São Francisco e Garuva.

Vista do Bradador

Na volta ainda pedalamos até o morro da Antena pra aumentar a altimetria do pedal.  No fim, fizemos cerca de 1250m de altimetria em pouco mais de 34km. Um bom treino, com vários trecho se inclinação acima dos 15%.


 

Finalmente um videozinho feito com a Virb e editado automaticamente pela nova versão do software da Garmin (Virb Edit 4.2.3)

Quiriri

Screen Shot 2013-08-04 at 6.26.07 PMCURITIBA (felling good) A Serra do Quiriri (ou Campos do Quiriri) fica no Estado de Santa Catarina e é composta por uma cadeia de montanhas que abrange os municípios de Joinville, Garuva e Campo Alegre. De acordo com a placa na estrada, o Quiriri possui cerca e 30 cumes sendo que o mais alto atinge 1580m.

A grande maioria do pessoal que pedala comigo já conhecia as temidas subidas do Quiriri, menos eu. E por causa dessa fama, esse pedal estava na minha lista já fazia um tempo. Mas por diversas razões nunca tinha conseguido ir pra lá. Bem, dessa vez deu certo. Fui com o Fabricio até Tijucas dos Sul de carro, onde encontramos o Marcos, Mountain Biker radicado em Tijucas que conhece as estradas da região como ninguém. Começamos o pedal por volta das 9:00h nas belas estradas de Tijucas e logo no início veio uma descida atrás da outra, o que começou a me deixar preocupado. Já estava imaginando como seria a volta… Deixemos a volta pra depois.

Descidas antes da subida

Após 28km de pedal e várias descidas chegamos a 850m de altitude. Ali começa a subida pra valer até o morro da antena, com 1400m. A estrada é boa e diferentemente da maioria dos morros pedaláveis, essa não tem cascalho solto. A bike traciona muito bem. Mas se chover, esqueça. Aquilo vira um sabão. São cerca de 5km de subida forte em que o GPS indicava 30% de inclinação em alguns trechos (gracias Fabricio, não sabia que tinha isso no meu GPS).

Subidas Quiriri

Um pouco antes de chegar no morro da antena, já dá pra ter um belo visual da Serra do Quiriri e das estradas que cortam os campos de altitude. Alguns dos caminhos, entretanto, cruzam propriedades particulares e tem acesso restrito. Por volta do meio-dia chegamos no Morro da Antena (1400m) de onde se pode avistar a cidade de Joinville e vários outros picos da Serra do Quiriri

Foto: Gerson

Fabricio, eu, Gerson e Marcos

Morro da Antena

Vista do Morro da Antena – Serra do Quiriri

E a volta? A volta é foda. Ok, tem a descida do morro que você faz em cerca de 5 minutos usando toda a potência dos freios a cada curva. Depois começa um sobe e desce interminável.  Marcos sugeriu que voltássemos por um outro caminho, um pouco mais longo, mas com subidas “mais leves”.  A Figura abaixo mostra o relevo do trecho da volta. Terreno dobrado mesmo, com direito a uma “subidinha” categoria 4 no fim. Terminamos a voltinha com 72km e cerca de 1800m de altimetria acumulada (2000m no Strava do iPhone). Track disponível aqui.

Screen Shot 2013-08-04 at 6.47.50 PM

Resta dizer que valeu a espera. Pedalzinho de respeito que fez o pedal de 90km de speed do dia anterior até o Bela Vista parecer um treininho leve (pra não dizer um passeio no parque). E que venha o Cerne V!

Mais fotos aqui.